Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

Pensamento do dia

mau feitio, 28.08.19

Toda a forma de diferença é difícil de ser, de estar, de viver e de assumir. Independente da diferença e de como ela surgiu nas nossas vidas. É difícil não pertencer ao padrão que é imposto por uma determinada sociedade. É difícil dizer ''eu sou diferente'' ou ''eu quero ser diferente'' e sê-lo. Isto porque não ser igual tem um custo alto e muitas vezes doloroso.

Diz-se que para se assumir é preciso C-O-R-A-G-E-M!

Eu só penso que uma das maiores lutas nesta sociedade de macacos de imitação e de papagaios a repetirem-se é sair do padrão ou de todos os padrões impostos, ditos e apregoados e dizer simplesmente '' ESSA SOCIEDADE MESQUINHA QUE VÁ PARA O INFERNO! ESTA É A MINHA VOZ, ISTO SOU EU!''

Porque eu não tenho medo de sofrer, de chorar, de me magoar, de me arrepender, de me iludir, de perder... eu tenho medo de não ser eu! Tenho medo de não viver!

Se for para morrer que seja de vida! Porque sofri, chorei, me magoei, iludi-me, arrependi-me, perdi... mas eu vivi, eu vivo, eu viverei!

As lutas mais árduas são as mais deliciosas.

Que se danem os padrões, as politicas, as regras... que eu vou viver!

 

I am not what people about me.I am better or worst

 

As lágrimas são necessárias para haver sorrisos.

mau feitio, 09.08.19

Porquê que as pessoas têm tanto medo de ficarem tristes, sozinhas, desapontadas e de perder?! Eu não percebo. Eu vejo que as pessoas, uma boa parte de nós, correm desesperadamente à felicidade. Tentam e tentam e tentam ser positivos a todo o custo. Não estou a criticar, mas não sei se acontece o mesmo com vocês, quando estou triste eu quero estar triste... quando estou zangada eu tenho essa necessidade. Não sei se vocês percebem o que quero dizer, mas não temos de ser obrigatoriamente felizes e contentes a toda a hora. Se temos de perder, percamos. 
Já viram o filme Divertidamente?

A Alegria não deixava a Tristeza tocar nos botões das memórias da menina de maneira alguma, até que ela percebeu que a Tristeza é necessária.  As lágrimas são necessárias para haver sorrisos.

Nenhuma felicidade existe sem ter chorado antes. Para ganhar temos de perder.

Nem sempre para cima. 

Nós estamos aqui a rumar para a felicidade, mas quando tivermos de ficar tristes, fiquemos. Quando tivermos de ficar zangados, aborrecidos e desiludidos, fiquemos. Isso não tem nada de mal. Tudo é necessário. Se a tristeza não fosse precisa, não existia.

Tudo é importante, tudo faz parte, tudo tem a sua razão e tudo merece o seu momento.

Por acaso, já se viu plantas crescerem sem receberem água?!

Eu falo por mim, quando estou triste eu QUERO estar triste, eu preciso! Bem como, zangada, aborrecida... se me apetece morrer, apetece. Mas isso não significa que eu me vá matar. Apenas, é uma vontade de desaparecer... de dormir um sono e voltar outra vez. 

f.jpeg

 

 

Imagem retirada do Google Imagens

Nunca me arrependo

mau feitio, 26.07.19

Isso de dizer ''só me arrependo do que não fiz'', na minha opinião, é mentira, pois toda a gente já se arrependeu de alguma ação na sua vida.

Eu arrependo-me de imensas ações, gestos, palavras, atitudes... situações nas quais devia ter dado mais de mim, momentos nos quais devia ter tido mais calma, etc.

 

Mas há uma ''coisa'' na minha vida da qual eu não me arrependo e eu estou a falar da minha forma de defesa relativamente à minha deficiência. Podem chamar-me do que quiserem; revoltada, infantil, inapropriada, estúpida, malcriada... tanto faz. EU SOU MESMO! Na' m'importo. Mas toca-me no meu problema, p'ra veres até onde vais!

 

Afinal... se não houvesse revoltas, não havia evolução.

O que mata não é a doença, são as pessoas ao redor.

mau feitio, 11.07.19

Quando uma pessoa se encontra doente, independente da doença que é, da sua gravidade e da sua evolução, o que mata a pessoa que sofre de tal doença não é a doença em si, nem são os procedimentos para a cura, também não são os medicamentos que quase matam uma pessoa de tanta droga que contêm. O que mata a pessoa doente não são os dias menos bons, as dores... porque essas tornam-se menos dolorosas com o tempo.

O que mata mesmo a pessoa doente são as pessoas ao redor com aquela moquenquice, com pena... sempre com queixume mais até do que a própria pessoa... constantemente à volta da pessoa, não lhe dando paz, sempre a interromper o seu momento... sempre a invadir o seu espaço, sempre a incomodar o seu tempo, sempre a questionar sobre o seu estado, sempre em cima, com rezas e preces. 

Isso é uma falta de respeito. Isso é que é uma doença. Isso é que mata!