Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog do Mau Feitio

O blog do Mau Feitio

The Vow!

mau feitio, 02.09.22

Oiiie!

Eu não sei se já partilhei este filme aqui com vocês, já andei p'ra'qui para trás e para a frente mas não encontrei.

De qualquer das formas se já partilhei, partilho novamente porque nunca é demais partilhar.

Voltei a assisti-lo há poucos dias atrás:

20127313.webp

*

 

The Vow ou Para Sempre em brasileiro ou ainda Prometo Amar-te  em português é inspirado numa história verídica que conta a vida de Paige e Leo.

Paige é casada com Leo com quem é imensamente feliz e realizada. Mas um acidente de carro deixa-a em coma. Quando ela acorda, não reconhece Leo e nada da sua vida depois de sair da casa dos pais, o que altera completamente a sua vida e compromete o seu casamento. 

Como só se lembra da sua vida antes de sair da casa dos pais, sente que estes são a sua única certeza, bem como, toda a sua vida antes de Leo, incluindo o ex-noivo por quem se sente atraída, por isso acaba por deixar Leo e vai viver novamente para a sua vida antiga.

Leo, por sua vez,  desiste  e aceita o pedido de divórcio depois de tantas tentativas de ajudá-la a sentir-se em casa e de tentar reconquistá-la, sente-se traído e injustiçado por Paige não se ter esforçado tanto como ele nem reconhecer o seu esforço. 

Não vou contar o fim para que no caso de não terem visto e quiserem ver o filme...

Apesar de eu compreender o lado da Paige, acho que ela se tornou numa menina fútil, mimada enjoada, cheia de cocó  na cabeça e '' ai não me toques...'' e embora, tivesse tido o acidente e não se lembrar duma parte da sua vida, na minha opinião, mostrou ser uma pessoa extremamente egoísta e mimada que não mereceu o esforço nem o perdão de Leo. Foi muito fácil para ela deixar a vida com Leo e voltar à vida que se lembrava, sem querer saber quem magoou... por exemplo: '' Ok. Tive um acidente, não me lembro deste nem desta vida, não gosto desta casa, destas roupas, destas pessoas... vou voltar para a casa dos meus pais. Tchau!'' Não lhe custou a tomar a decisão.

Bom, como disse inicialmente, não sei se já tinha partilhado este filme aqui, por isso, se partilhei não sei a opinião que dei na altura, de maneira que peço desculpa pela brutalidade da minha opinião atual.

Já assistiram a este filme?

Se sim, qual é a vossa opinião?

Beijs.

 

*Imagem retirada do Google Imagens

Não podiam ficar as duas opções?

mau feitio, 26.06.22

Esta nova moda de inserir a tecnologia em todo o lado é muito divertida e prática p'ra quem gosta e percebe, mas na minha opinião, quando acaba definitivamente com as outras opções e se esquece dos outros é o mesmo que regredir. 

Colocaram plataformas digitais interativas em toda a cidade e retiraram a outra informação que já havia, inclusive, os horários dos autocarros afixados em placas junto às paragens.

No outro dia, esperava pelo autocarro para voltar a casa e na mesma paragem estavam sentados um jovem e um senhor que devia ter os seus 70 e muitos anos. O senhor sentia-se muito aflito por não saber o horário que tinha de tomar para regressar a casa. Dirigindo-se a nós, a mim e ao jovem que também se encontrava na paragem, desabafou por 2 vezes que deviam afixar os horários das camionetas nas paragens para as pessoas saberem a quantas andam.

Quando este se aproximou mais de nós, perguntei-lhe para onde ele ia e tomei a iniciativa de ir à plataforma verificar, o rapaz seguiu-me para ver se podíamos ajudar o senhor. 

Conseguimos ajudá-lo, contudo o Sr. decidiu apanhar um táxi porque àquela hora já não havia autocarros comuns para a sua localidade. Só de Turismo.

Havia necessidade de retirar os horários afixados? Para evoluir é necessário esquecer-se dos outros? 

As pessoas que têm essas ideias maravilhosas não têm pais, avós em casa?

Não é preciso ter 70 anos para não se perceber, há pessoas mais novas que não entendem, que preferem a outra opção! 

Isso dá-me uma raiva!!

NA MINHA OPINIÃO, aquilo não dá jeito nenhum, primeiro que conseguisse escrever o nome da localidade... foi uma eternidade, o teclado travava em algumas letras e  outra, pelo que entendi, não disponibiliza o horário semanal dos autocarros, só do próximo autocarro... Se eu não estiver errada, é uma grande ajuda... Só que não!

Apesar dos meus 31 anos, eu prefiro a moda ''antiga''. Mas se querem evoluir, 'bora vamos! Porém, não nos esqueçamos uns dos outros. 

 

As lágrimas são necessárias para haver sorrisos.

mau feitio, 09.08.19

Porquê que as pessoas têm tanto medo de ficarem tristes, sozinhas, desapontadas e de perder?! Eu não percebo. Eu vejo que as pessoas, uma boa parte de nós, correm desesperadamente à felicidade. Tentam e tentam e tentam ser positivos a todo o custo. Não estou a criticar, mas não sei se acontece o mesmo com vocês, quando estou triste eu quero estar triste... quando estou zangada eu tenho essa necessidade. Não sei se vocês percebem o que quero dizer, mas não temos de ser obrigatoriamente felizes e contentes a toda a hora. Se temos de perder, percamos. 
Já viram o filme Divertidamente?

A Alegria não deixava a Tristeza tocar nos botões das memórias da menina de maneira alguma, até que ela percebeu que a Tristeza é necessária.  As lágrimas são necessárias para haver sorrisos.

Nenhuma felicidade existe sem ter chorado antes. Para ganhar temos de perder.

Nem sempre para cima. 

Nós estamos aqui a rumar para a felicidade, mas quando tivermos de ficar tristes, fiquemos. Quando tivermos de ficar zangados, aborrecidos e desiludidos, fiquemos. Isso não tem nada de mal. Tudo é necessário. Se a tristeza não fosse precisa, não existia.

Tudo é importante, tudo faz parte, tudo tem a sua razão e tudo merece o seu momento.

Por acaso, já se viu plantas crescerem sem receberem água?!

Eu falo por mim, quando estou triste eu QUERO estar triste, eu preciso! Bem como, zangada, aborrecida... se me apetece morrer, apetece. Mas isso não significa que eu me vá matar. Apenas, é uma vontade de desaparecer... de dormir um sono e voltar outra vez. 

f.jpeg

 

 

Imagem retirada do Google Imagens

172 verdades

mau feitio, 16.07.19

Hoje em dia, não há ninguém que não tire fotografias e são os poucos que não têm redes sociais nas quais partilham as suas fotografias. Mas, na realidade, a fotografia é uma arte e, como em todas as formas de arte, há quem se destaque mais do que outros. O chamado ''artista''. Apesar de, muitas pessoas não fazerem da fotografia uma profissão, possuem essa arte dentro de si. Têm aquela criatividade, a perícia, a atenção aos pormenores, ideias inovadoras, sabem fazer com que a fotografia fique bonita e convidativa a seguir o perfil que a posta. Tenho que admitir que eu não sou uma artista a tirar fotografias... nem sou boa a colocar filtros. Embora, eu já tenha aprendido muito aqui nas ondas da Internet e vendo as fotografias de outras pessoas.

Ok, e onde eu quero chegar?

Às vezes, eu abro páginas no Instagram de pessoas que me dão likes e não só, de pessoas que conheço... e eu fico deliciada a ver as fotografias. Opah! Sabem mesmo tirar e trabalhar a fotografia!! E depois tem aquilo o que a fotografia nos ''quer dizer'' e essas fotos demonstram vidas maravilhosas, que pessoas sortudas, opah! É tudo lindo! 

Mas... quando se pergunta ''então tudo bem?'', muitas dessas pessoas têm uma vida de m***! Estão sempre com problemas, com dúvidas, com inseguranças. 

Eu fico  e pergunto-me ''onde está a luz que tinha na fotografia?! A desconstração? A alegria?''

Eu sei que na Internet é tudo fake ou quase tudo. Eu não estou a dizer que uma pessoa que esteja triste ou que não esteja bem de alguma forma, não possa tirar e partilhar fotografias, colocar filtros com uma mensagem positiva, mas eu fico estupefacta com o medo que as pessoas sentem que se perceba que não estão bem.  Eu não consigo! Eu tenho 172 fotografias, nem todas são mesmo fotografias e, algumas foram tiradas por outras pessoas a meu pedido mas podem acreditar que, apesar do filtro que eu coloco só  para melhorar a fotografia, todas dizem o que estou a sentir, o que quero mesmo dizer, esteja feliz ou triste. Pessoal, não ponham filtros nos vossos sentimentos. 

Não tenho jeito nenhum para tirar fotografias nem trabalha-las, só sei que 'tá tudo dito na fotografia.

Até porque se eu estiver na m*** , a m*** vai aparecer na minha cara e em tudo o que eu partilhe.

Querem ver?

13094408_263144680700261_71812206256333546_n.jpgCara de m***
Eu sentia-me uma m***

 

E... qual é a vossa opinião?

mau feitio, 27.06.19

Olá, pessoal! Tudo bem?

É fim do ano letivo e depois de umas conversas sobre os resultados dos miúdos na escola, se passaram de ano ou não... eu fiquei mal impressionada com o facto de uma mãe exibir as notas da filha, como sendo esta o máximo. Claro que, para todos os pais, todos os filhos são incríveis, o máximo e espetaculares. É verdade, eu não sou mãe (agora, os pais todos a darem-me na cabeça! ''Mas tu não sabes nada de maternidade... cala-te sua gafanhota de meia tigela''). Contudo, a minha opinião sobre o exibicionismo, exaltação e sobrevalorização das qualidades dos filhos e os seus bons resultados é que algo que não se deve fazer. Não, em demasia.

Eu concordo que, se deve felicitar as crianças e jovens pelos seus bons resultados escolares e boas atitudes no dia a dia e manifestar o orgulho sentido nessas situações, porque até é benéfico para eles. Mas, discordo que se deva exibir e elevar isso ao máximo, como se a dita criança ou jovem, fosse perfeito e melhor. Eu olhei para a criança elogiada e esta estava radiante com aquilo com que a sua mãe estava a fazer. A mãe por si, só está alimentar-lhe o ego e daqui a uns anos, muito provavelmente, será uma menina riquinha mimada que exigirá tudo e mais alguma coisa, que sentirá que tem de ser a melhor da turma sempre e em tudo para não desiludir os pais, a popular da escola que oprimirá todos os outros e só receberá aplausos pelos seus bons resultados e quanto aos seus erros, estes serão abafados pelos papás, como vemos muitos senhores a fazerem quando os seus queridos filhinhos cometem algum erro (ou não).

Todos nós já nos vangloriámos das nossas vitórias, já nos sobrevalorizámos, já fomos arrogantes, já tivemos a mania, já pensámos que a Virgem Maria ia aparecer na hora H para nos salvar, todos nós já fizemos (e fazemos) as nossas vantagens. Todos nós (eu também). Acho que isso é normal numa certa idade e, dependente, das pessoas. Eu, por exemplo, já parti os ossos todos e já me calei. Quando olho para trás, penso '' ainda bem que partiste a cara, Dina! '', porque isso me ensinou e levou-me por outros caminhos que, embora tenham sido sofredores, também foram vitoriosos, quanto mais não seja pelas experiências e por tudo o que isso me acrescentou de bom.

Mas, relativamente, ao dito exibicionismo e sobrevalorização dos pais para com os filhos, eu penso que não se deve fazer. Estudar é o trabalho deles. Também não é preciso dizer brutamente dessa maneira '' É O TEU TRABALHO! '', mas felicitar pelo bom trabalho, dar um carinho, dizer que estão orgulhosos deles, dando força de continuarem.

'' De pequenino é que se torce o pepino''. As crianças e jovens não têm culpa, porém os pais vão alimentando-lhes o ego de forma errada. 

À  pergunta: ''O seu filho passou de ano'', na minha opinião, basta ''Sim.''. Não é necessário descrever as notas, apresentando quantidades, valores, números e percentagens. Ma' isto é SÓ A MINHA O-P-I-N-I-Ã-O .