Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

Frase do Mês

mau feitio, 02.08.19

Quem procura defeitos antigos no presente, vive eternamente no passado.

Minha frase

P.S - quando eu digo que é uma frase da minha autoria é porque não me inspirei em nada que pertença a outra pessoa. Saiu-me espontaneamente. No entanto, o mundo está cheio de pensamentos comuns.

 

Na verdade, eu já partilhei esta frase e escrevi sobre ela no meu Instagram , mas como eu não gosto muito de escrever lá, não me alonguei muito. Porém, como é inicio do mês e eu tento sempre manter esta tag viva no blog, decidi então fazer deste pensamento a frase do mês de Agosto e vem mesmo a calhar. E porquê? Porque é Verão e isso significa que uma boa parte das pessoas estão de férias e por isso, regressam a casa. 

Nesta altura do ano, eu revejo muitas pessoas do meu passado, infelizmente em relação a algumas. Principalmente, pessoas que andaram comigo na escola, antigos professores e funcionários escolares.
Antes de continuar, queria fazer um parêntese: eu acho imensa piada a algumas pessoas que pensavam que só elas é que não gostavam dos outros, não têm nem tinham a mínima noção do quão eram odiadas por esses outros. É isso que muitas pessoas não entendem, que não é porque nós não andarmos a falar mal delas e a trata-las abaixo de cão, como elas fazem, que gostamos delas.

Nos meus tempos de escola, houve pessoas que, independentemente da forma como me tratavam, eu não gostava minimamente delas mas elas sentiam-se poderosas, porque só elas é que tinham o direito de gostar e desgostar dos outros. Pensavam elas. Enfim.

Muitas dessas pessoas têm passado por mim, umas cumprimentam-me, outras tentam... eu ignoro todas elas. Finjo que não ouço ou que não percebo. Viro a cara. 
Se me tratavam mal porque eram crianças ou no caso dos já adultos nessa altura que me tratavam menos bem porque não sabiam como lidar comigo ou não tinham paciência ou por outra razão desconhecida, eu  digo que era apenas uma criança  como muitos e cresci com isso dentro de mim. Não estou a dizer com isto que nunca fiz nada de mal, que nunca tratei mal ninguém e admito que possa ter merecido algumas coisas. Não sou santa... só se for a santa do paoco 
Mas, independepende do quão passado é e de que passado veio, se eu não quero na minha vida, não vale a pena! Quando algo morre dentro de mim, morre mesmo!!


Pois bem, esta frase é um pouco contradiória... eu sou do contra. Já diziam alguns professores:       
''Não vale a pena Dina, tu és do contra!'' .

Contudo, eu tento alimento este pensamento:

Até podemos não querer nada com algumas pessoas do nosso passado, pelas más recordações que nos despertam, pela má impressão que nos causaram, pelos sentimentos negativos que nos fizeram sentir, temos esse direito. E temos o direito de não querer dar uma segunda oportunidade.
Mas não podemos nem temos o direito de afirmar que essas pessoas continuam iguais. O ser humano está sempre em mudança. A viver, a errar, a acertar, a cair, a vencer, a se superar e a melhorar. É preciso sair do passado e, isso significa deixar as pessoas seguirem o seu rumo e se conhecerem umas às outras e deixar as nossas ''dores'' relativamente a essas pessoas permaneçam num lugar dentro de nós, se não as conseguimos deitar fora, mas sem denegrir a imagem de ninguém.

Eu confesso que, nunca vou esquecer nada do que me fizeram sentir. Porém, optei por ignora-los por completo. E não acredito muito na regeneração de muitas delas (pessoas), apenas hoje em dia, o cenário é outro e como tal temos de agir em conformidade com uma série de regras e conceitos e blá, blá, bla...
Mas a vida está aí para todos e cada um de nós vai receber o que deu ao outro. E eu não vou alimentar ódio dentro de mim por quem nem isso merece, apenas viro o rosto. 

 

Quem procura defeitos antigos no presente, vive et

 

Pensamento do dia

mau feitio, 05.06.19

Mas não é verdade, gente?
Às vezes, queremos afastarmo-nos de alguém mas não sabemos como e tentamos encontrar motivos para não estar junto daquela pessoa e não encontramos. Pessoal, não querer estar com a pessoa ou não querer tê-la na nossa vida, já é um motivo. Pronto. Porquê que não se gosta? Se for importante para ti saberes a razão que te leva a sentir isso, tenta descobrir, mas se não... deixa estar. Desde que não alimentes ódio e não dês ''ouvidos'' a esse sentimento, deixa ir. Não gostas de alguém, não queres essa pessoa na tua vida... deixa ir!

 

Não espere por um motivo para se afastar de algu

 

52 + 1 = 53 #liçõesdevida

mau feitio, 10.02.19

Desde que saí de casa, aos 17 anos, eu já partilhei casa com 52 pessoas, mais ou menos, 53 contando comigo. Isto fora todas as outras com quem convivi. E, nesse período de tempo, eu tive a oportunidade de aprender e absorver muita ''coisa'', isto porque errei, acertei, magooei, ofendi, ultrapassei, caí, levantei-me, fui estúpida e vice-versa. Sobretudo, aprendi exatamente o que eu não quero ser, o que quero diminuir e o que quero continuar a ser.
Vou tentar resumir, mas vamos lá.
Eu não quero ser:
Uma mulher quase a cair nos 30's (EU TOU A CAIR) ou a passar deles, sentada no sofá a fazer comentários irónicos sobre tudo e todos e ficar sorrateiramente a ouvir as conversas alheias ou a ver onde as discussões vão dar, só por mero prazer. Do género, solteironas, mal f**d**d_s, frustadas, invejosas mas não sabem disso.
Eu não quero ser uma pessoa da mesma idade que, depende dos pais e controlada por eles. Chata, irritante, picuinhas... #nojo.
Eu não quero ser uma mulher submissa ao seu companheiro que deixa de se divertir e de viver a sua vida em função do seu relacionamento. E que só podem sair com eles.
Eu não quero ser daquelas pessoas cheias de métodos, cremes, pílulas... para tudo! Um comprimido para ser feliz, um comprimido para dormir, um comprimido para ter apetite. 
Eu não quero ser daquelas mulheres que ficam horas no WC a falar da gordura que têm no nariz ou noutra parte do corpo ou a falar de outra coisa qualquer. NUNCA GOSTEI DE CONVERSAS DE MULHERES. E sou uma.
Eu não quero ser uma mulher que usa roupas SÓ típicas de mulher. 
Eu não quero ser daquelas pessoas que chegam aos 36/40 anos insatisfeitas com a vida e que se tornam aborrecidas e depressivas. E A CULPA É DO MUNDO E NÃO DELAS.
Eu não quero ser daquelas pessoas que se casam ou se prendem a alguém às pressas, por causa da idade ou de outra razão qualquer.
Eu não quero ser daquelas pessoas materialistas, fazem dinheiro por dinheiro. #nojo.
Eu não quero ser daquelas pessoas que compram o mundo para mostrar aos outros que têm.
Eu não quero ser daquelas pessoas com a panca da limpeza e organização.
Eu não quero ser daquelas pessoas que não se podem sujar...
Eu não quero ser daquelas pessoas que não podem ouvir um p**d* que ficam chocadas, que ouvem um grito ficam escandalizadas. 
Eu não quero ser daquelas pessoas fúteis, que não se aguentam com nada.
Eu não quero ser daquelas pessoas que passam fome com dinheiro na carteira, mais porque não sabem cozinhar do que outra coisa e quando chegam à rua ou a casa de alguém, quase que comem a loiça.
Eu não quero ser daquelas pessoas que só elas é que sabem da vida,  porque elas já viajaram imenso, é que conhecem tudo porque são mais velhas, quase apontam uma arma aos outros, impondo a sua vontade e só a sua vontade.
Eu não quero ser daquelas pessoas que não se pode fazer barulho, não se pode sair da linha... #boring.
Eu não quero ser daquelas pessoas que influenciam outras contra outras e que ficam a favor destes e daqueles por causa das amizades e conviniências.
Eu não quero ser daquelas meninas ''riquinhas'' protegidas pelos papás, e quando levam na cara fazem becinho.
Eu não quero ser daquelas pessoas que passam a vida na casa dos outros, a incomodar quem lá vive.
Eu não quero ser daquelas pessoas que tudo conta para obterem aquilo que querem ter.
Eu não quero ser daquelas pessoas que magoam os outros e gozam deles porque, estes outrora lhes magoaram.
Eu não quero ser daquelas pessoas que duvidam de tudo e são negativas, inseguras ao extremo.
Bom... é mais ou menos isso. Mas, como eu disse e digo sempre, eu não sou perfeita nem santa ( tenho muitaaaaaaaaaa culpa em muiiiiiitaaaaaaaaaaaaaa coisa) e nada me torna superior a ninguém, por isso, eu aprendi e, em algumas situações, ainda estou aprendendo:
A resguardar mais a minha vida, a minha privacidade, os meus objetivos.
Se eu quero fazer algo, seja lá o que for,  fazer sozinha. POR EXEMPLO, se quero fazer reciclagem, faço. 
Se for caso de partilhar casa, ter as minhas coisas, mesmo que a casa disponha de algumas.
Não expor as minhas dificuldades (esta vai ao encontrar da 1ª)
Não aceitar ajuda ou tanta ou de qualquer lado nem pedir ou perguntar se podem ajudar (se não tenho, não tenho).
Não sufocar ninguém com/desabafar (os meus problemas) com ninguém nem repetir histórias por vezes sem fim
Deixar ir, por mais que me custe. Deixar ir.
Não viver em função de uma amizade, só de uma e não alimentar tanto isso.
No fundo, é ser mais eu, as ''minhas pessoas'' e olhar o mundo como um todo. Eu sou possessiva e ansiosa e vivo muito as coisas, (muitas vezes, sou a miúda coitadinha por isso. O bobo da côrte.) levo muito ao peito e, às vezes, associo muita ''coisa'' à minha ''def'' e a ideia é deixar ir,  libertar-me de conceitos e  é por causa ''disso e daquilo'' ,analisar melhor e descobrir devagar. Estou aprendendo a não ter preconceitos e complexos sobre mim mesma. Pois, quem gostar fica, quem não, não se prende, mostra-se a porta. E ninguém mooooorre por te viraram a cara ou ficam a falar mal de ti.
Por fim,  eu quero continuar a ser:
EU!
Menina-mulher feliz, com o sorriso rasgado e esta alegria que trago nos olhos, nos meus e nos de quem me vê, sem pensar em regras, etiquetas, dietas. Com peso e medida, claro. Mas, livre! Do género Gabriela Que sorri para o mundo e ''finge''-que-não-percebe o que dizem e o que pensam (sobre mim). É esta pessoa que quero ser, a      (des)preparada para a vida que (todos) me acusam de ser. O ser autêntico que, uma vez, disseram que eu era. Uma pessoa que ama a vida, sobretudo, a sua simplicidade, uma pessoa que não se compra nem se vende. Uma pessoa que vive, que se vive, e se morrer que seja de tanto viver. Se for para morrer, que seja de vida! Eu sou assim, sou feliz a comer todas as porcarias que existe. A dormir até às tantas, a fazer diretas, a andar como zombie e etc, etc, etc. ''Quem quer come, quem não, deixe!''
Foi isso tudo o que aprendi e vou aprendendo.
Beijs.

 

eu não quero qualquer tipo de cura, eu quero enlo

 

Ser professor

mau feitio, 16.01.19

Eu não sou professora mas fui aluna. E como tal, tenho imenso respeito por todos os meus professores ( considero professores da pré-primária até ao liceu),por alguns tenho carinho e por outros até amizade, depende. Mas gostando ou não, o respeito estende-se a todos. Na minha opinião, ser professor é uma espécie de ''pai'' e, em alguns casos, onde a estrutura familiar não é boa (não é o meu caso, pois tenho uns riquíssimos pais), é nos professores que os alunos vão buscar apoio e suporte e recebem carinho e educação. Sempre gostei muito da escola e dos meus professores, embora andasse quase sempre sozinha e fosse agredida verbalmente e, por vezes, fisicamente nos corredores. Tudo bem... também não fiquei atrás, fiz igual. E também cometi os meus erros imperdoáveis. Não sou perfeita e não é uma deficiência que me santifica. Independente disso, sempre adorei a escola e ia toda sorridente, como se nada daquilo me doesse, como se ter o rótulo de deficiente, babona e toda torta, não me pesasse. E não pesava mesmo. Acho que, pesa mais em adulta do que em criança. Enfim...
Bom, o que eu recordo dos meus professores são as canetas de várias cores que usavam para me explicar melhor o que não percebia e até hoje, lembro-me perfeitamente disso, do que eu aprendi dessa maneira. Não menosprezando, os que não usavam canetas de várias cores, o que quero dizer, no fundo, é que às vezes, as pessoas pensam que, para ensinar e cativar, ou seja para o que for, precisam de muita coisa... equipamentos, uma estrutura toda espetacular, mas não é. Para tudo na vida, só é necessário ter vontade, dedicação, gosto, paciência e, em alguns casos específicos, ter um estojo com canetas de várias cores.

 

Para ser um bom professor não é preciso muito, b