Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O meu piano

mau feitio, 31.07.19

Às vezes, tenho medo de não ter mais assunto para escrever. Eu olho para o número de posts que tenho que são neste momento, mais de trezentos e penso como é que eu consegui escrever tanto. Às vezes, volto atrás e releio alguns e faço algumas correções que, no momento em que escrevi escapou-me este e aquele erro, um acento errado, uma vírgula mal colocada, falta de uma palavra, um erro ortográfico... enfim. Quando releio os textos que escrevi, não sou a pessoa que os escreveu, mas sim, uma leitora. Leitora do meu blog. Saio de uma parte de mim e entro noutra dimensão na qual também sou eu, que também faz parte de mim. Divirto-me com aquilo que escrevi, rio-me à gargalhada, choro... desarmo-me em lágrimas grossas, critico-me, chamo-me dos nomes mais hediondos que possam imaginar e, simplesmente, sorrio. Recordo-me de cada pormenor, de cada momento, de cada pessoa, de cada razão que me levou a escrever.  Raiva, amor, solidariedade, paixão, sonho, vida... já escrevi com esses sentimentos todos a latejar-me no peito. Com os dedos a tremer, com água a escorrer-se-me pelo rosto, com o coração a palpitar, com todos os sonhos do mundo dentro de mim. Às vezes, o post que acabei de escrever não era nada daquilo que eu pensei em escrever. Não sei se acontece o mesmo convosco. Dependendo do que eu quero escrever, posso demorar dias a cozinhar na minha cabeça o que quero ''dizer'' e horas a terminar a escrever.

Uma vez, disseram-me que eu não sou escritora porque não ganho dinheiro a escrever. Pois não ganho. Uma pessoa pode salvar milhões de vidas, mas só é médica se tiver todos os diplomas, porém com todos os diplomas pode não corresponder com aquilo que se espera de um médico, mas é-lo porque tem diploma. 

Essas pessoas magoaram-me muito quando mo disseram, contudo fiquei calada. Porquê? Porque no mesmo instante, compreendi que aquelas pessoas só possuem certificados que lhes permitem desempenhar a sua função profissional. Não têm sonhos pendurados no teto nem sal a gosto na sua vida.

Eu não ganho dinheiro por escrever um blog nem nenhum dos pensamentos que posto ora aqui, ora noutras plataformas, por isso, não sou escritora. Ok... aceito!

Mas, eu digo-vos quando me ponho à frente do PC ou agarro numa caneta para escrever é como se tivesse a tocar piano. Por momentos, dou por mim como se tivesse à frente dum piano de verdade. 

É impossível descrever o que sinto quando estou inspirada a escrever. 


Este é o meu piano, é o meu palco, a minha música, o meu instrumento, a minha praia, a minha onda.

 

Não sou escritora? Até aceito não ser uma, desde que o gosto nem o dom de escrever nunca se esgotem dentro de mim, vivo bem com aquilo que não sou por dinheiro. Mas, morreria pelo que sou sem um tostão no bolso. Infelizmente, quem não tem sonhos pendurados no teto, não compreenderá o que quero dizer. Escrever é uma arte como tantas outras e o artista é o que menos recebe por isso. 
Se eu fosse renumerada por cada palavra que escrevo, era só mais uma na lista.

piano-s.jpg

 

Imagem do Google Imagens

9 comentários

Comentar post