Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

Era uma vez...

mau feitio, 28.01.18
Era uma vez, um simples e solitário homem que era visto como pequeno, ignorante, vagabundo e inútil.
Não que não fosse inteligente e não quisesse trabalhar,mas não tinha meios nem condições para desenvolver os seus ideais, para ser mais do que era naquele momento, por isso, os demais ao seu redor desprezavam. Cansado de engolir tanto desprezo e ser humilhado calado, o homem levantou-se e caminhou, caminhou, caminhou descalço sem nada nos bolsos,somente com a roupa que lhe cobria o corpo até encontrar um lugar onde pudesse viver.
Ao longo dessa caminhada, ele encontrou várias pessoas,umas boas, outras nem tanto. Fez amizades que perduraram, outras que pouco duraram. Também fez as suas inimizades e teve os seus conflitos, mas conheceu outro mundo, outra gente, descobriu novas formas de viver, conheceu a diferença. Aprendeu que nem tudo tem de ser feito da mesma forma, do mesmo método, que nem tudo tem a mesma cor e o mesmo jeito e ser pessoa quer dizer muita coisa. E que o que está certo para ele pode estar errado para o outro ao seu lado.
Quando o homem encontrou o dito lugar, começou a desenvolver as suas qualidades, a realizar os seus sonhos, a construir os seus projetos, a ter as suas conquistas e alguma riqueza, mas, apesar disso, ele nunca perdeu a humildade pois nunca se esqueceu do sitio de onde saiu, da sua casa, das suas raízes.
Um dia, mais maduro e experiente, ele regressou à sua terra, da mesma maneira como saiu: caminhando. Pelo caminho ele conheceu mais pessoas, coisas diferentes, fez novos amigos, aprendeu novas coisas...como aconteceu quando partiu da primeira vez.
Ao chegar à sua terra, o tempo tinha passado, as ruas estavam diferentes, os edifícios tinham sofrido modificações, as pessoas tinham envelhecido, havia novas crianças e pessoas que ele não conhecera.
O homem deu uma volta e reconheceu alguns lugares e também reencontrou algumas pessoas que o tinham desprezado. E, rapidamente,percebeu pelos olhares e conversas entre as pessoas que o espírito delas continuava igual. Era como se o tempo tivesse estagnado no próprio tempo, a mentalidade era a mesma: pequena, mesquinha, tacanha. Posto isto, sem demoras decidiu partir novamente porque ele descobriu algo essencial.
Ele descobriu que ele não era uma pessoa perfeita, não sabia tudo, também tinha magoado e julgado outras pessoas, também tinha dificuldades e também precisava de ajuda e tinha problemas e culpa em algumas situações,mas, às vezes o lugar onde estamos não é o certo para nós. Às vezes, o lugar onde estamos tem mais dificuldades e menos condições do que nós próprios e por essa razão temos de partir em busca de algo diferente. Não significa que tem de ser melhor ou maior, mas sim, tem de ser diferente. Embora triste por ver que a sua terra ainda não conhecia o que ele conheceu, ele partiu e desta vez para nunca mais voltar. Ele precisava de mais. Ele precisava do mundo, da diferença,das cores das pessoas de todas as raças. Ele sentia necessidade de trabalhar,de inovar, de descobrir, de vida.
Assim foi pelos caminhos da vida. Se caiu? Imensas vezes,mas levantou-se sempre. Se errou? Sem dúvida! Mas corrigiu-se. Se teve momentos de solidão? Alguns, mas sempre encontrou companhia. Se se deparou com tristeza,sofrimento e conflito? Sim, mas sempre deu a volta. Se teve menos dinheiro do que aquele que poderia ter tido na sua terra se se tivesse acomodado? Talvez,mas teve o suficiente para viver a sua vida da forma que ele escolheu, por isso, foi feliz e não há maior riqueza do que a felicidade.
 
Parte da nossa felicidade é feita só por nós.
O que importa é viver a vida. Se chorámos ou se rimos, se fomos solitários, se sofremos mais, se caímos pelo meio, não importa. Se no fim fez sentido e fomos felizes, o resto não importa.

Não tenham medo de partir ao encontro de algo que vocês acreditem!Vão! Voem! Não escutem o mundo. Escutem o vosso coração. Não desistem.
 
Imagem do Google Imagens
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.