Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

''E se fosse consigo?''

mau feitio, 11.06.19

Há poucos dias, vi um dos episódios do programa da SIC ''E se fosse consigo?''. O assunto tratado nesse episódio são as doenças mentais e os consequentes tratamentos, mais precisamente, as idas ao psiquiatra. Eu só convivi de perto com uma pessoa que frequentava o psiquiatra mas nunca me criou confusão falar, conviver e estar com quem frequenta o psiquiatra. Com algumas pessoas, não é possível ter uma conversa clara e contínua dada a doença e sua evolução. Acho que isso é evidente e não se pode negar. Mas, não é por aí que não se fala com determinada pessoa. 
Eu penso sempre que é possível conversar, estar e conviver com quem quer que seja, só temos de encontrar o ''ponto'' certo. Claro que se eu me cruzar com uma pessoa cuja doença ou perturbação condicione o comportamento ou raciocínio da mesma e se isso for evidente, não me vou pôr como uma sabichona a falar sobre as Eleições ao Parlamento Europeu, óbvio. Mas posso ir pela via mais fácil, perguntando como está, o que tem feito... por exemplo. Isto sou eu. Para mim, a via que nós tomamos para qualquer ação na vida é que é determinante. Mas 'bora... eu não gosto de falar das pessoas do meu passado porque tenho uma certa superstição... não vá o diabo tecê-las, mas pronto.

 

Bom... a história é um pouco triste.


Essa pessoa sofria de um distúrbio mental e, apesar de eu não me importar rigorasamente nada com isso e trata-la como um pessoa normal que é, ao contrário não era bem assim. Essa pessoa tinha tamanha facilidade em julgar-me como se eu tivesse um problema mental (muito influenciada por terceiros, é certo) por causa da minha deficiência. Durante algum tempo, escondeu a sua opinião, mas no fim disse-ma de uma forma muito cruel. É evidente que, essa pessoa não se encontrava bem naquele momento, porém, também dava para ver que era má pessoa e meio que se aproveitava das alturas menos boas da sua doença para atingir os outros sem sentir remorsos. Ou fazia-o sem consciência, não sei. Um profissional de psicologia disse-me uma vez que, uma pessoa que tenha uma doença ou deficiência também pode ser má pessoa. Não sei o que diz um psiquiatra. Eu não me avalio na melhor pessoa do mundo, sou horrivelmente imperfeita com o pack completo da imperfeição mas acho maldade usar o problema de uma pessoa para a magoar. E foi assim que essa pessoa agiu. Disse-me o que quis: ''bah, bah, bah'' com uma frieza monstruosa e com um certo escârnio... e foi-se à sua vida, distribuindo a culpa a todas as pessoas, menos a ela mesma, por algumas das suas decisões. Eu não disse muito em troca, porque não sou aquilo que essa pessoa me chamou e, porque acho que não devo lutar com quem está naquele estado, posso ter sido ingénua mas senti pena. Apenas respondi que não permitia que usasse a minha condição para me atingir. Eu admito que essa pessoa tinha alguma razão em estar chateada comigo. Mas usou o mesmo discurso que outras pessoas, o que prova que havia uma influência... um empurrão, um encorajamento maldoso e prazer em criar conflitos, por parte de terceiros.

Bom, a questão é: ''E se fosse consigo?'' Penso que teria de me adaptar e tentar viver o mais normal possível, para me sentir bem comigo mesma e não para convencer os outros, fosse do que fosse.

Relativamente, a conviver e relacionar-me com, é como já escrevi. Também penso que as pessoas se preocupam muito com os comportamentos alheios. Se uma pessoa está ao meu lado a fazer algo que a mim me é estranho, desde que não seja prejudicial, criminoso, se não me está a tocar, a ferir, a magoar... que tem?! Está na sua vida, eu estou na minha. As pessoas ''sem problemas'' são muito lavadinhas. Que nojo! Qualquer coisa é uma patologia, uma anormalidade... Aff!! 
No que diz respeito  a julgar, só Deus é que pode fazê-lo. No entanto, eu admito que eu julgo (na verdade, todos nós) muito os outros. Contudo, sempre respeitei os problemas dos outros para que respeitassem o meu (deficiência). Nunca usei a condição de saúde de ninguém, fosse ela qual fosse para humilhar, diminuir e atingir o outro e, às vezes, sou muito julgada por ter uma deficiência por pessoas que sofrem de doenças mentais em vários níveis, tanto que o fazem comigo, bem como, com qualquer outra pessoa. E... aí isso é falta de olhar para si próprio. (mas também não sei até onde não é a doença a falar).