Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

O blog do Mau Feitio

Experiências, histórias, poesia, opiniões, dia a dia, dramatizações, descontração, gargalhadas infinitas, amigos, momentos, livros, filmes, TV, músicas, pessoas, coisas da vida, do mundo e mau feitio.

Deixa ir

mau feitio, 29.04.17

Mesmo que, para ti não tenha grande importância ir ou ficar, não faltes a nenhum compromisso, só porque tens algo melhor para fazer, porque tu não sabes o quanto os outros se esforçaram para estar contigo à hora marcada nem o quanto é que a tua indiferença pode magoá-los.

Muitas vezes não temos essa noção mas existem pessoas que se cruzam na nossa vida  que prezam bastante os compromissos e que para tomar um simples café se preparam duas horas antes e, quando chega à hora do dito café, simplesmente recebem uma mensagem a desmarcarem ou então ficam horas intermináveis à espera... e quando se apercebem da situação, o seu mundo desmorona... num momento todas as suas expectativas são varridas duma só vez.

Eu usei o exemplo do café como podia usar outro exemplo qualquer, mas para dizer que tudo depende das pessoas que queremos na nossa vida, que fiquem connosco e do que é o resto, mesmo que esse '' resto'' sejam pessoas... não é por não serem tão importantes que não lhes devemos respeito e temos o direito de lhes dar ''com a porta na cara'' vezes sem conta.

É preciso ter mais respeito uns pelos outros e fazer algo muito simples: definir e deixar ir. Temos que definir quem queremos na nossa vida e deixar ir o ''resto'' porque não faz bem nem a nós nem aos outros manter determinadas pessoas na nossa vida só porque sim ou porque temos receio de dizer que não... Acreditem que faz muito mais mal a elas do que a nós próprios, estamos a dar-lhes migalhas para alimentarem a expectativa de algo que nunca acontecerá e pouco a pouco contribuímos para uma catástrofe emocional nas suasvidas, mesmo que sejam elas as principais responsáveis pelo que lhes acontece,não devemos contribuir para esse tipo de coisas nem ter gosto em fazê-lo. Se for para contribuir e ter gosto que seja pelo bom e pelo bem. Lembrem-se que migalhas dá-se aos pombos.

Ter gosto em magoar alguém, alimentando as suas expectativas porque outrora essa pessoa te magoou? Muito típico de nós, seres humanos, pessoas, mas isso só reflete duas coisas sobre uma pessoa, que é má porque um ato propositado reflete malvadez, vingança, que é alguém pequeno e em segundo, que ficou muito afetado e precisa de responder na mesma moeda... Quantas vezes não apetece dar o que nos deram, fazer igual para sentirem o mesmo que nos fizeram? Imensas! Até engendramos planos de vingançana nossa cabeça, não é? Mas a melhor resposta é deixar à conta de Deus (eu recorro a Deus porque acredito, vocês recorrem ao que acreditam), embora que muitas vezes pensemos que temos de responder por nós, Ele é sempre a melhor solução. A seu tempo, dará a cada um o que cada um dá aos outros, nem que seja no seu último minuto de vida.

Quanto a nós, pessoas cá na Terra, penso que só nos resta viver respeitando-nos mutuamente, tendo sempre presente na nossa cabeça que as pessoas não são iguais, que reagem de maneira diferente às coisas, por isso ,tratemo-nos como flores, independente do que queremos e libertemos aquelas que, por alguma razão, não queremos no nosso jardim. Deixemos ir aqueles que nos magoam,q ue nos não fazem falta... Não brinquemos com ninguém porque não somos brinquedos, somos pessoas, não adiemos ninguém, porque não somos eventos, somos pessoas. Se queremos ter, mostremo-lhes, fazemos de facto algo para que aconteça. Do contrário... deixemos ir, mesmo que precisemos de dizer que não. Uma coisa é certa: ninguém tem que carregar com ninguém, ninguém é dono d eninguém e ninguém tem que suportar ninguém por favor e caridade. Somos livres de escolher quem queremos dentro e fora da nossa vida, mas não somos livres de tratar os outros como marionetas.

Saibamos plantar porque sempre colhemos o que plantamos.

Eu quero a Vida!

mau feitio, 11.04.17

 

Eu não quero ser uma grande pessoa, eu quero ser apenas uma pessoa, aquela que já sou, receber o que tenho por direito e contribuir com o meu dever.
Eu não quero respeito pelo apelido que tenho, pelo cargo que posso vir a ocupar, pelos bens materiais que adquiro nem pelo êxito que poderei alcançar, eu quero o respeito que me cabe por ser uma pessoa.
Para mim ser grande é ser pequeno.
A grandeza do ser humano reside na humildade ao admitir que não se é perfeito e melhorar a cada dia, na prática do Bem sem cobranças nem anúncios, na capacidade de ser igual ao ser-se diferente.
É manter o sorriso aceso quando a alma chora.
É ter alegria para brincar como uma criança quando assim tiver de ser e maturidade para saber quando parar.
É ser feliz nas horas tristes.
É ser louco uma vez por dia.
É chorar com um amigo.
É abraçar aqueles que nos diminuem.
Ser grande é ser autêntico.
Eu não quero um nome para ser grande, eu já tenho um. Eu não quero que me olhem debaixo para cima, mas que me vejam na linha do horizonte.
Eu não quero muito, mas sim, o bastante.
Eu não quero ser poupada de nada, eu quero viver tudo!
Eu não quero amizades pela quantidade que possuo, mas pela qualidade do que posso dar.
Eu não quero quem me tenta mudar, mas sim, quem me deixa livre para cair, aprender e levantar.
Porque só a liberdade me conquista.
Eu não quero números, eu quero risos, sorrisos e momentos.
Eu não quero o luxo da vida, viver já é um luxo.
Eu quero simplicidade, verdade e sinceridade.
Eu quero a pequena grandeza da Vida!
Eu quero a Vida!